quando a temporada
das permanências me
corre no ventre
como são as gaivotas
dos rios no subúrbio
eu fico toda quieta
suo por dentro
e respiro sem impulso
a inverdade dos acontecimentos
que vão matando
de farsas e de aversões
as estrelas
junto com a fome
dos desejos secretos
e dos sonhos que vão
circulando nos corpos
e grudando nos olhos
as poças do momento

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s